Símbolo da Acessibilidade na Web  acessibilidade.net

Logotipo e ligação a CERTIC/UTAD

 Símbolo de Acesso  indicando que o  sítio  é capaz de comunicar com o utilizador através de linguagem falada Este sítio pode comunicar com o
utilizador através de um sintetizador de fala

Farol - Cidadãos com Necessidades Especiais na Sociedade da Informação

O tema tratado por quem já venceu obstáculos

António Silva e Daniel Serra
António Silva e Daniel Serra
São ambos cegos

LERPARAVER - o portal da visão diferente
www.lerparaver.com

O nascimento da página é resultado de uma já relativamente longa colaboração na área das novas tecnologias tendo sempre como principal objectivo a melhoria da acessibilidade à informação em suporte digital por parte das pessoas com deficiência visual.

Aqui poderá encontrar notícias, informações úteis, direitos e benefícios, ligações a páginas, e transferência de ficheiros.

Este é, seguramente, um ínfimo passo para a humanidade, mas um grande passo para quem não tem o mundo na mão ao ritmo de um clique de rato e para quem "ler" usando uma linha Braille ou um sintetizador de voz é a forma por excelência para "ver".

MAQ

Marco Antonio de Queiroz
Cego, diabético e transplantado renal e do pâncreas

Bengala Legal
www.bengalalegal.com

Acessibilidade Legal - Uma Web para Todos
www.acessibilidadelegal.com

Meu nome é Marco Antonio de Queiroz e sou conhecido também como MAQ (letras iniciais do meu nome completo). Possuo algumas características pessoais que não são comuns à maioria das pessoas: sou diabético, cego, transplantado renal e do pâncreas.

O site Bengala Legal foi criado por mim em 2 de fevereiro de 2000 e tem total acessibilidade aos programas de navegação utilizados por pessoas com a minha e as mais diversas deficiências. Ele pode ser navegado não somente através do mouse, como também totalmente via teclado. foi refeito em sua codificação, encontrando-se agora dentro dos padrões WEB sugeridos pelo W3C.


José Santos
José Santos
Paralisia Cerebral

ParalisiaCerebral.NET
www.paralisiacerebral.net/

Elaborei esta página para concretizar alguns sonhos e objectivos que tenho em mente, e o primeiro é fazer com que os Portugueses em geral possam ter um lugar onde podem retirar informações sobre algumas deficiências e ao mesmo tempo aperceberem-se das nossas capacidades e de ver como somos iguais, senão superiores às chamadas pessoas "normais".

 

João Henriques
João Henriques
Tetraplégico

Acessibilidade em Estado de Sítio
www.euroacessibilidade.com

Pois eu, ao contrário das outras pessoas ditas normais, sei o que é subir umas escadas normalmente pelos meus próprios pés e também o sentir-se limitado fisicamente para o poder fazer.

São nesses momentos que, sentimos o quanto vale uma superfície com rampa. E quantas vezes passa despercebido para quem tem a felicidade de possuir todas as suas faculdades mentais e físicas.

Foi por esta razão e mais algumas que eu decidi construir este site.

 

Manuel Francisco
Manuel Francisco
Paralisia Cerebral

Sou um jovem Web Designer, trabalhador do Serviço de Informática (SI) da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Os computadores e a Internet dão sentido ao meu dia-a-dia, preenchendo grande parte do meu tempo.


José Pedro Amaral na sua casa de Alcochete, rodeado dos apetrechos tecnológicos que o ajudam a comunicar com o mundo
José Pedro Amaral
Surdocego

A informática, ou seja: o computador/ Internet, surgiu na sequência de ter ficado surdocego, e, como tal, com dificuldades no acesso à informação e a impossibilidade de poder comunicar à distância, e não só, em tempo real.

Uso, portanto, um computador vulgar, sendo que para que lhe possa aceder tenho instalado um Software de ampliação de ecrã e o monitor do computador, de 19', configurado em “preto de alto contraste”.

Desta forma, e pelos motivos atrás expressos, acedo à Internet, e-mail, MSN-Messenger e tudo o mais que diz respeito a esta forma de conhecimento/ comunicação desde o primeiro momento em que, através das Ajudas Técnicas, foi colocado à minha disposição um computador com acesso à Internet; há perto de 6 anos, o que foi um verdadeiro, e incalculável, impulso numa integração que, pela surdocegueira, corria o risco de perder-se

Francisco Goulão
Francisco Goulão
Surdo-Mudo

Francisco Goulão
http://profsurdogoulao.blogspot.com/

Questão colocada no Ciberdúvidas

Assunto: Surdo-mudo/coitadinho

Pergunta:
Gostaria de saber porque é que as pessoas chamam aos surdos-mudos "coitadinhos".

A palavra coitadinho, que as pessoas chamam aos surdo-mudos, é portuguesa e é correcta ou é calão?

Francisco Goulão
Surdo-Mudo
Professor de surdo-mudos
Espinho

Michael Williams
Michael Williams
Paralisia Cerebral

Actualmente, as minhas actividades principais centram-se totalmente no campo da comunicação aumentativa e alternativa.

Escrevo um boletim acerca de comunicação aumentativa, chamado "Alternativamente Falando". Sou membro da Comissão Executiva da Sociedade Internacional para a Comunicação Aumentativa e Alternativa ou ISAAC.

Também participo num projecto da Universidade do Estado da Pensilvânia, que investiga a possibilidade de acompanhar utilizadores de comunicação aumentativa, recorrendo ao correio electrónico.

O meu primeiro equipamento de tecnologia de apoio foi a normalíssima máquina de escrever do meu avô. Usei máquinas de escrever para comunicar, em todos os níveis do ensino básico e secundário e nos meus primeiros anos de faculdade.

A tecnologia moderna auxiliou-me imenso na minha luta para ser um ser humano completo, que participa na sociedade de forma significativa.

Se tivesse tentado comunicar estas informações com a minha voz biológica, poucas pessoas conseguiriam compreender as minhas palavras.

 

Krista Caudill
Krista Caudill
SurdaCega

Gosto muito de estudar na Universidade do Delaware. Recebi uma bolsa experimental da Fundação Nacional para a Ciência...

Esta bolsa vai ser usada para desenvolver um aparelho para os surdocegos, que se destina a converter a fala em Braille e o Braille em fala, para que os surdocegos possam comunicar de forma mais independente com as pessoas que não conhecem a língua gestual.

No meu caso, desfez-se uma enorme barreira a nível de comunicação.

Andava em salas de chat a comunicar com imensas pessoas; e numa certa sala, o meu namorado estava lá...

 

Jim Mullen
Jim Mullen
Tetraplégico

Empresa de Web Design
www.visualhighway.com

Fui o catalizador desta nova empresa e começámos a projectar sítios na Web.

Fundação Jim Muller
www.jimmullen.com

Eu e alguns amigos abrimos a Fundação Jim Mullen e o que fazemos é tentar conseguir ou aceitar donativos de grandes empresas que já não usam o equipamento informático mais antigo e damo-lo aos menos afortunados e deficientes da cidade.

Se não tivessemos esta tecnologia... eu estaria... perdido, por assim dizer. Estaria mais dependente dos outros. Para mim é uma ferramenta para a mobilidade.

Sem o computador não temos tanta acessibilidade, porque quando navego na Net, ou escrevo um email, não há incapacidade. É um estadio igual para todos. Posso levar mais tempo, mas, não obstante, posso executar as mesmas tarefas e sou igual a vós quando uso o computador. Só não sou... neste momento talvez não seja tão rápido, só isso.

Ajuda-me a superar o que seria provavelmente devastador e uma deficiência deprimente. E leva-me a pensar: "Ainda tenho cérebro! Posso fazer muita coisa." E faço-o todos os dias graças ao meu computador. Ligo-o e posso ir a qualquer lugar.

 

Mark Parent
Mark Parente
Paraplégico

SCIConnection
www.sciconnection.com

Desconhecendo há três anos o que eram deficiências, tinha muitas perguntas. Mas não obtinha muitas respostas, sobretudo da parte dos médicos. E achei que a única forma de as conseguir era junto às pessoas que vivem neste momento esta experiência.

Com o aparecimento da Internet e da tecnologia dos computadores posso comunicar com alguém em Chicago ou com alguêm na Rússia que sofra de alguma deficiência.

Uso o computador e o site que criei para iniciar diálogo. E também para obter respostas às perguntas minhas.

Se acordo de manhã e tenho uma questão, coloco-a na NET, para ver que tipo de respostas obtenho. E se isso desencadear o diálogo entre outras pessoas... consegui ajudar-me e a um grupo de pessoas.